Pesquisar neste blog - Preserve Lagoa Santa

Clique aqui para nossos vídeos e páginas de referência, com reportagens, documentários e notícias

sábado, 25 de fevereiro de 2012

Brasileiros descobrem em MG a mais antiga gravura rupestre das AméricasDesenho teria de 9,5 mil a 10,5 mil anos e enfraquece teoria que defende chegada do homem às Américas há 11,2 mil anos 23 de fevereiro de 2012 | 3h 02


ALEXANDRE GONÇALVES - O Estado de S.Paulo
"Pesquisadores brasileiros encontraram a gravura rupestre mais antiga das Américas: um baixo-relevo descoberto a apenas 60 quilômetros de Belo Horizonte, em Lagoa Santa. As datações de carbono 14 sugerem que a representação pré-histórica tem de 9,5 mil a 10,5 mil anos.
O desenho apresenta uma misteriosa figura antropomórfica com a cabeça em forma de C, três dígitos nas mãos e pênis ereto (mais informações nesta página). "Provavelmente, era parte de um painel maior, a representação de algo como um culto de fertilidade", propõe Walter Neves, arqueólogo do Laboratório de Estudos Evolutivos Humanos do Instituto de Biociências da Universidade de São Paulo (USP) e um dos principais responsáveis pela descoberta, divulgada na revista PLoS One.
"Também poderia representar uma exaltação à virilidade", aponta Astolfo Araujo, do Museu de Arqueologia e Etnologia da USP. Ele recorda que, ao calibrar a datação por carbono 14, o achado pode ser ainda mais antigo: de 10,5 mil a 12 mil anos atrás. "Esse dado foi confirmado por outro método de datação: a luminescência."
O arqueólogo Danilo Bernardo, coautor do trabalho, recorda que a gravura foi descoberta em julho de 2009. "Estávamos prestes a cobrir o sítio arqueológico para deixar o local", afirma Bernardo. O grupo realizava as últimas escavações quando surgiu a figura. "Só conseguimos datar porque trabalhamos de forma metódica, recolhendo todos os carvões (fonte de carbono 14) das fogueiras pré-históricas do sítio", recorda o pesquisador.
Neves e Araujo sublinham que a descoberta enfraquece ainda mais o modelo Clóvis, explicação que, durante muitos anos, foi hegemônica para a ocupação humana na América.
"Segundo esse modelo, o homem teria entrado no continente pelo Estreito de Bering há 11,2 mil anos", explica Neves. Ele descobriu, em 1998, Luzia, o esqueleto humano mais antigo da América, de uma mulher que viveu há cerca de 11 mil anos no Planalto Central. Foi um golpe no modelo Clóvis. "Não daria tempo para todo o continente ter sido colonizado", aponta o pesquisador.
Outras descobertas também fortaleceram a teoria de uma ocupação mais antiga da América. A presença de diferentes culturas líticas - ou seja, de construção de ferramentas com pedras - em um passado bastante remoto, aliada a uma surpreendente e antiga adaptação às diferentes paisagens do continente, também apontam que o homem chegou à América há mais tempo.
Defensores do modelo Clóvis, no entanto, questionavam a datação de Luzia. Também afirmavam que as diferentes culturas líticas seriam mais bem explicadas por diferenças nas matérias-primas disponíveis que pela presença de uma tecnologia sofisticada no continente há mais de 10 mil anos. Por fim, atribuíam a ocupação dos diversos hábitats da América do Sul à natural habilidade humana de adaptação.
"Agora, com esse achado, mostramos que já havia uma considerável diversidade simbólica no continente logo no início do Holoceno", afirma Neves. "Algo inverossímil se a ocupação da América tivesse começado há apenas 11,2 mil anos."
Araujo concorda. "Mostramos que a hipótese de uma ocupação mais antiga não se baseia só na datação de um esqueleto ou em evidências isoladas", afirma o arqueólogo. "Todas as evidências descobertas na América do Sul apontam nessa direção."
Ele atribui o apego dos pesquisadores dos Estados Unidos ao modelo Clóvis a uma dupla culpa: "Precisamos publicar mais em inglês e eles precisam começar a ler com mais atenção nossos trabalhos".
Neves acredita que o homem chegou ao continente há 14 mil anos. Ele também aposta que a porta de entrada foi o Estreito de Bering. "Não acho razoável propor que os primeiros habitantes vieram por embarcações da Austrália ou da África, bebendo água salgada", aponta o pesquisador.
Os pioneiros no continente não tinham a aparência dos índios atuais - que, na visão de Neves, chegaram depois à América, há 11 mil anos. Eles eram parecidos com os africanos e com as habitantes nativos da Austrália."

Uma matéria que em alguns anos poderíamos chamar de "sem comentários" hoje merece um comentário: temos avisado que essa terra merece cuidados especiais... temos avisado! 

Um comentário:

  1. Prezados senhores, recebi hoje em minha caixa de correio duas pequenas jóias em forma de versos que tratam da defesa de nossa lagoa central. Muito além da indignação que desperta em nós, é um documento digno de ser preservado para a história dessa cidade tão acolhedora. Para mim, cada vez mais, distinguem-se os Seres Humanos dos seres desumanos; estes últimos dificilmente saciam a sede de ter, a qualquer custo, poder, dinheiro, prestígio etc...etc... etc... Sugiro que o trabaho do poeta Jota das Neves seja pulicado na íntegra nos maiores jornais de circulação em Belo horizonte e em Minas Gerais. Cumprimento a todos pela honestidade civil de proteger o bem comum. Abraço, Fátima

    ResponderExcluir